Artigos

Imprimir

Conto: Orgulhos feridos e preconceitos superados.

Escrito por Amandinha Ligado . Publicado em Conto: Orgulhos feridos e preconceitos superados

Orgulhos feridos e preconceitos superados.
Depois de todo o alvoroço do anúncio do casamento, Darcy e Lizzie tiveram mais tempo para aproveitar seu curto noivado.

Longos passeios diários viraram rotina na vida do futuro casal. Apesar de já se conhecerem o suficiente para saber seus temperamentos, começaram a descobrir pequenas coisas do seu dia-a-dia.

Lizzie estava curiosa para saber sobre a rotina de Pemberley, e Darcy muito
envergonhado respondeu que como não era responsável pela rotina da casa, não tinha
uma idéia concreta das atividades domésticas, pois sempre estava resolvendo seus
problemas ao redor da propriedade ou ficava trancado em seu escritório trabalhando.

- Mas Mr. Darcy, o senhor não tem idéia do que se passa em sua própria casa?!

- Idéia sim. Penso que a rotina de uma casa é igual em qualquer lugar. A senhorita mais do que ninguém deve saber a rotina de uma casa.

- Então Pemberley é igual a todas as outras casas na Inglaterra?

- Eu imagino que sim meu amor, acho que as preocupações em fazer o marido feliz, cuidar do cardápio e da arrumação da casa, farão parte da vida da futura senhora Darcy!
Lizzie corou com a declaração do futuro marido, não só por chamá-la de meu amor, como também por que ele beijou-lhe a mão.

- Fico muito feliz em saber. Confesso que estava preocupada, pois Pemberley é muito maior que minha casa, e como tenho muitas irmãs para dividir as tarefas de administrar
a casa, apenas fazíamos nas ausências de minha mãe, que sempre foram esporádicas e nunca duraram mais que uma semana.

-Não se aborreça com estas questões Elizabeth, você terá vários criados a sua disposição, e nossa governanta ficará encantada em lhe auxiliar.

- Eu me lembro dela! É uma senhora muito amável, tratou a mim e a meus tios muito bem, e apenas no final da visita lhe revelei que o conhecia, quando admirei seu retrato apreciando sua bela figura.

- A senhora Reyonalds contou-me que a bela Miss Bennet que visitou minha casa, agradou-se de minha aparência
- Oh Mr. Darcy, esse fato nunca neguei a mim mesma. Sua beleza não pode de modo nenhum ser apagada por seu caráter anti-social. Porém fico pensando como estou em desigualdade com o senhor.

- Comigo?


- Sim, acaso não foi o senhor mesmo que se referiu a mim como tolerável?


- Ah minha querida Elisabeth, como me arrependo desse dia, não propriamente desse dia, mas dos meus modos com você. Estava extremamente irritado por ter ido ao baile e quando lá cheguei, encontrei uma certa senhorita que ao invés de fletar comigo, me desafiou rindo de mim e não para mim, além do mais, a senhorita não demonstrou nenhum interesse de se aproveitar da ocasião para contrair matrimônio. Naquela época não percebi, mas acho que você feriu meu orgulho!
- Mr. Darcy! Feri seu orgulho?! Vamos nos sentar, estou muito interessada nessa conversa!


- Não me orgulho da pessoa que fui Elisabeth, mas prometo que tudo lhe direi se prometer que ainda casará comigo depois de me ouvir.


- Disso o senhor pode estar certo, agora que tenho certeza que Pemberley é uma casa como qualquer outra na Inglaterra, nunca mais duvidarei do meu amor por você.
Darcy soltou uma sonora gargalhada e pegou a mão de Elisabeth para sentarem naquele banco, que ficava logo debaixo daquela grande árvore que ouviu todo o relato sobre orgulhos feridos e preconceitos superados.



The End!!!!