Artigos

Imprimir

"EU TE AMO - Volte Para Mim" - Capítulo I

Escrito por Ro Ligado . Publicado em "EU TE AMO - Volte Para Mim"

CAPITULO 1

Julho de 1945
A noite estava quieta... Lizzy estava sentada no parapeito de sua janela e ouvia apenas o barulho das árvores que balançavam com a leve brisa que soprava. Elizabeth era uma bonita mulher: era alta e tinha longos cabelos ondulados cor de chocolate. Seu olhar profundo sempre denunciava o estado de sua alma.


Ela já não agüentava mais ouvir falar sobre aquela maldita guerra... Havia seis anos que não se falava em outra coisa no país. Até mesmo o sossego de Hertfordshire havia sido perturbado. Os jornais apenas noticiavam o novo número de vitimas, o novo número de tropas que estavam sendo enviadas, etc. De repente, Lizzy foi tirada de seus pensamentos por sua irmã.

- Lizzy, venha vamos dar uma volta...

- Ah, não, Jane, me deixe quieta aqui um pouco.

- Você esta assim por causa da briga com William? Você sabe que ele gosta de falar dessa guerra, o Charles também me irrita com esse assunto... Mas eles são homens não é? Você queria que eles falassem sobre o quê?


- Futebol, Jane... Por que eles não podem falar sobre Futebol?

- Eles falariam se o campeonato não tivesse sido interrompido por causa da guerra. Agora ande, saia já daí e venha caminhar comigo. - Lizzy não teve tempo de protestar já que a irmã a puxava para fora do quarto.
Jane era um ano mais velha que Lizzy. Era loira e da mesma altura que a irmã. Possuía os olhos azuis mas, apesar de toda beleza, o que era marcante em Jane era a sua doçura. Tinha um instinto maternal com todos à sua volta.

A família Bennet morava em uma fazenda longe da cidade, uma propriedade grande que esbanjava beleza natural, mas também era linda na delicadeza de cada detalhe. A casa de campo era grande e a frente ficava um lindo gramado.

Nos fundos da casa podia se ver um pequeno canteiro onde Lizzy cultivava suas tão adoradas margaridas. A garagem, que ficava ao lado da casa, era ocupada por dois carros, um de seus pais, outro que Lizzy dividia com Jane.

As meninas passaram a caminhar pelo bosque, que também pertencia à enorme propriedade da família, em direção à tão conhecida cachoeira que alegrava a todos em dias de muito sol.


- Ainda bem que papai mandou iluminar este caminho, senão seria impossível andar por ele à uma hora dessas.
- Você bem sabe que ele apenas fez isso por você não é? Não queria que você fizesse suas caminhadas no escuro. Ficava com medo...

- Medo de que? Fomos criadas aqui, Jane. Posso andar de olhos fechados sem me perder.


Lizzy começou a andar de costas, virando-se de frente para Jane. Fechou os olhos apenas para fazer graça.

- Pare com isso, Elizabeth, você vai se machucar!

- E nós não queremos que isso aconteça, não é, meu amor?
Elizabeth levou um susto ao ouvir aquela voz tão conhecida saindo do meio do nada. Quando abriu os olhos e virou-se, ficando de costas para Jane, deparou-se com William e Charles ambos rindo do espanto dela.

Willian era o “Homem dos Sonhos”: alto, com um porte atlético, cabelos loiros desalinhados e olhos azuis como o céu em dia de verão. Charles tinha olhos castanhos e cabelos ruivos. Não era tão alto e forte como William, mas tinha uma simpatia fora do comum.

- O que vocês estão... Jane! - Lizzy falou deixando claro que estava brava com a situação.

- Não culpe minha namorada, Lizzy - disse Charles que passava por ela e ia ao encontro de Jane - A culpa é do William que não nos deixou em paz desde que você discutiu com ele essa manhã.


- Bom, Charles, o que você acha de deixarmos esses dois briguentos aqui e darmos uma voltinha mais perto do pomar?

- Ótima idéia, meu amor.

Assim eles saíram abraçados deixando William e Elizabeth sozinhos.

- Meu amor...

- Nem comece, Sr. Darcy - Lizzy já estava tomando o caminho de volta para casa quando sentiu os braços fortes do namorado segurando-a pela cintura.


- Não fique brava comigo, você sabe que eu te amo.
- Me ama mas não pára de falar desta guerra e... - ela foi calada por um beijo cheio de saudades que foi prontamente correspondido.

- Não vim aqui para falar da guerra.


- E veio aqui para falar do que?

- Digamos que não vim exatamente para falar, mas se você insiste posso falar que eu te amo, que eu te amo e que eu te amo...


Lizzy o abraçou e ficaram assim por um tempo em silêncio até que ela resolveu falar.

- Já é tarde, William... Vamos procurar Jane e Charles para podermos voltar para casa. Você ainda tem que ir para a sua!

- Só preciso pular a cerca e já estou em casa. - William morava na fazenda ao lado, que era quase do mesmo tamanho que a dos Bennets, apenas um pouco maior e mais luxuosa.

- É, mas mesmo assim até você chegar na cerca leva um bom tempo. Não estamos perto de nada, apenas da cachoeira.


- E do seu celeiro...

- Pare com essas idéias, Sr. Darcy!


- Eu não disse nada...

- Mas pensou!


Ele lançou um sorriso cheio de malícia para a namorada e voltou a beijá-la. Dessa vez um beijo cheio de amor. Ao terminar, foram procurar o outro casal que fazia a mesma coisa, só que no pomar.