Imprimir

Namoro de Férias - Cap 11

Escrito por Luciana Viter Ligado . Publicado em Namoro de Férias

 

Ao retornar à Fazenda Inglesa, Elisa reencontrou Collins, que se mostrou ansioso para conversar com ela novamente, e de preferência de forma mais íntima do que antes.  Não poderia evitá-lo sem ser rude, e decidiu esclarecer de forma mais objetiva que não planejava nenhum envolvimento com ele. 

 

Percebera que o estilo bem-sucedido e urbano do primo havia agradado à mãe. Sim, ele era sem dúvida um bom partido, como se costumava dizer antigamente. O tempo passava, mas algumas coisas não mudavam, como por exemplo, o fato das mães desejarem para suas filhas maridos que pudessem lhes proporcionar estabilidade financeira.

 

Entretanto não havia da parte de Elisa nenhuma intenção de prender-se a ninguém, pelo menos por enquanto e se decidisse fazê-lo seria por seus sentimentos e não por busca de segurança. Logicamente tudo não passava de suposições, tanto por parte dele que imaginava a possibilidade de um futuro ao lado dela, como de sua mãe que parecia levar esta hipótese remotíssima a sério, apesar da rapidez com que ela surgira.  Como se não conhecesse Lizzy, que sempre fora muito independente desde pequena. 

 

- Posso me sentar a seu lado? – Disse Collins já o fazendo, sem esperar pela resposta.

- Esteja à vontade.

- Está em que período da faculdade, Elisa?

- Estou concluindo a graduação em Biologia e me especializando em Gestão Ambiental.

- Ainda me lembro de como implicava com você quando éramos crianças.  Eu lhe devo muitas desculpas.

- Nem me fale. – Elisa sorriu.

- Você cresceu e se tornou uma mulher muito bonita. – replicou ele com um olhar expressivo.

A conversação estava tomando um rumo que ela não desejava. O que fazer?

- O tempo passa para todos, Collins.

- Este é mais um motivo para não desperdiçá-lo.

- Sem dúvida.  Cada um traça seus planos.  Eu por exemplo, só pretendo estudar e trabalhar por enquanto. Mais nada.

Será que ele entendera? A expressão insegura em seu rosto a fez sentir um pouco de pena de novo, mas como demonstrar seus sentimentos sem magoá-lo?

- E você? Quais são seus projetos imediatos, além dos profissionais? – ela continuou, tentando abrir um novo caminho para o diálogo.

- Como já disse, estive rodando o país inteiro a trabalho.  Agora espero me estabelecer em algum lugar, de preferência ao lado de alguém. Não tenho mais meus pais e é difícil sentir-se desprovido de laços de espécie alguma.

Agora ele realmente tocara seu coração.  Porém não podia fazer nada a não ser manifestar seu honesto desejo de que ele alcançasse o que almejava:

- Espero que você encontre um amor sincero que possa preenchê-lo. Todos nós procuramos isso de uma forma ou de outra. – Elisa falou impulsivamente dando-se conta de que isso também acontecia com ela, não obstante sua aparente independência.  

A conversa foi interrompida por Lídia e George que chegavam. Eles pareciam estar bem íntimos e Elisa novamente refletiu sobre a conveniência deste relacionamento, mas considerando inútil qualquer atitude que pudesse tomar, saudou-os como se nada estivesse acontecendo.

- Como foi a caminhada? – perguntou.

- Sua irmã é uma guia tão eficiente quanto você, Elisa.  Conseguimos muitas locações interessantes.  Provavelmente no início da próxima semana estarei fechando todo o material para ir embora.

Esta última informação apagou momentaneamente o sorriso de Lídia que indagou:

- Tão rápido, George?

- Infelizmente não posso ir além dos prazos determinados.  Mas vamos manter contato pela internet.

Ele disse estas palavras fazendo um carinho suave no queixo dela, que retribuiu com um sorriso.

 

A intuição de Elisa a avisava sobre os dois, todavia sentia-se impotente para intervir, principalmente porque se baseava apenas em impressões e possibilidades.  Quando George se afastou conversando com Collins, ela resolveu falar de novo com Lídia.

- Está acontecendo alguma coisa entre vocês?

- Lá vem você de novo, Lizzy.  E se estiver, algum problema?

- Não leve isto muito a sério, Lídia, só isso.

- Sabe o que eu acho? Você está com ciúmes porque eu, mais nova, estou com ele, ao invés de você.

- Como assim “está com ele”?

- Estamos juntos... do jeito que duas pessoas que se sentem atraídas uma pela outra ficam... – respondeu Lídia com um olhar sugestivo.

- Vocês já...

- Não, Lizzy, não – Ela replicou. – Não é isso. Mas já nos beijamos, se você quer saber.

- Lídia, não falo mais nada.  Só tenha juízo, certo?

- Isso eu tenho de sobra! – replicou ela com um ar maroto.

Melhor que ele fosse mesmo embora logo, pensou Elisa.