Imprimir

Namoro de Férias - Cap 16

Escrito por Luciana Viter Ligado . Publicado em Namoro de Férias

Enquanto arrumava as malas, Elisa pensava em como seria reencontrar Darcy depois do que acontecera em Alta Serra.  Bastante tempo havia se passado e ele não costumava mais freqüentar seus pensamentos como nos dias que seguiram à sua partida.  Melhor se preparar para um relacionamento puramente profissional, pois não cometeria o erro de misturar sua vida particular com sua primeira oportunidade de trabalho de verdade.

 

Avisou aos pais que estaria passando a maior parte das próximas semanas na Praia do Peró, na região litorânea norte do Estado, alternando sua permanência com retornos esporádicos à faculdade para completar os últimos créditos correspondentes à apresentação de sua monografia.  A finalização do projeto estava prevista para três meses no máximo, que coincidiriam com o final da graduação de Elisa.   Tudo parecia estar se encaixando muito bem. 

 

A região litorânea onde se localizaria o resort era desconhecida por Elisa que não se cansava de admirá-la da janela do táxi que a levava ao hotel indicado pela empresa.  O mar que se estendia em tons de verde jade a azul escuro contrastava com a areia branca como neve.  Mais a frente, dunas douradas e intocadas se mesclavam a ilhas verdes de restinga em meio a pequenas lagunas de água salgada. 

 

A praia ainda tinha uma vasta região virgem. Elisa ficaria hospedada no principal hotel local, localizado na rua principal em frente à praia, era bem charmoso e confortável.  A equipe da De Bourgh ocupava quatro suítes. Elisa dividiria a sua com uma topógrafa da equipe, que não estava presente quando ela chegou.

 

A avaliação de impacto ambiental obrigatória para empreendimentos desse porte normalmente era feita por uma equipe multidisciplinar composta por engenheiro, biólogo, geógrafo e outros profissionais envolvidos.  O relatório final seria examinado pelas autoridades que também fariam uma fiscalização in loco para confirmar as informações apresentadas.

 

Era necessário levantar todas as características da área para se emitir um parecer sobre a viabilidade ou não do que se pretendia.  Caso o projeto fosse degradar a vegetação nativa ou atingir espécies em risco, por exemplo, deveria sofrer restrições ou mesmo ser reprovado. Mas infelizmente nem sempre era assim que funcionava.  Com bastante freqüência, profissionais pouco éticos emprestavam seus nomes a verdadeiros crimes ambientais com a conivência de servidores públicos corruptos.  E depois de tudo construído, praticamente nada podia ser feito.

 

Elisa estava se especializando nesta área de atuação e depois de conhecer toda a parte teórica ansiava por ver como as coisas aconteciam na prática, mas precisaria aguardar o final do dia quando a equipe retornasse.  Enquanto isso resolveu circular pelo que pequeno centro comercial do lugar, comprando as inevitáveis lembrancinhas para a família e amigos, imaginando que nos próximos dias haveria pouco tempo para isso.

 

Quando começou a anoitecer voltou ao hotel.  A primeira a chegar foi sua companheira de quarto, Paula.  Ela foi simpática e agradável, mas estava cansada e subiu logo depois de se apresentar para tomar banho.  Elisa achou melhor permanecer no hall e logo depois chegaram os demais membros da equipe, três homens e uma outra mulher, Eles tinham aparência e idades diversas, e a mulher era da mesma idade de Lizzy e também uma estagiária, embora da área de engenharia, casada com outro engenheiro do grupo.

 

Os outros dois eram geógrafo e biólogo, sendo que este último provavelmente seria aquele com quem teria mais contato, cujo nome era Fernando. Ele era bem mais velho, mas mostrou ter mais fôlego que ela nas atividades de campo das semanas seguintes.  Tinha grande experiência no que fazia e Elisa considerou um privilégio tudo que aprendeu.  Além de tudo era muito bem humorado o que facilitava sobremodo a convivência com alguém que até poucos dias atrás era um completo desconhecido.

 

A principal atividade de Elisa era catalogar as espécies encontradas e organizar e tabular os dados referentes às mesmas.  Além disso, faziam anotações sobre outras características da região como clima e regime de ventos.  Resolveu aproveitar estas informações para embasar sua monografia na qual trabalhava quando sobrava tempo. Como sua rotina era caminhar horas diariamente pela região da praia onde fora proposta a instalação do resort, chegava exausta ao fim do dia, compreendendo logo o cansaço de sua companheira de quarto quando se encontraram pela primeira vez. 

 

A equipe se reunia uma vez por semana para trocar informações. Mas sempre sobrava um tempo nas quintas para apenas confraternizarem quando costumavam jantar juntos em um restaurante de frutos do mar próximo ao hotel.  Apesar da observação de Collins, Darcy não estava lá quando Elisa chegou e nem apareceu nos primeiros dias. Embora ficasse curiosa, achou melhor não perguntar nada a ninguém. Alguns dias depois ela precisou retornar à faculdade para resolver assuntos urgentes.  Quando voltou, era cedo demais para descansar e tarde demais para sair em campo. Assim foi direto ao seu quarto guardar suas coisas planejando adiantar mais um pouco sua monografia que estava atrasada. 

 

No corredor encontrou um vulto masculino que não pareceu surpreso ao vê-la, ao contrário dela.   Era Darcy.

- Boa tarde, Elisa. Como vai? – e lhe estendeu a mão.

 Elisa analisou as suas reações e as dele num breve relance antes de responder.  Ele parecia muito tranqüilo, bem diferente do homem estressado que conhecera em Alta Serra, o que a surpreendeu.  Ela, por sua vez, novamente se sentia afetada fisicamente pela presença dele e pelo mero toque de suas mãos, o que a fez sentir-se ligeiramente constrangida:

- Bem, obrigada. E você?

- Tudo bem.  Espero que sua família esteja bem.

- Estão sim.  E Bingley e as irmãs, como vão?

- Estive com eles final de semana passado.  Luísa está grávida.

- Que bom, mande meus parabéns para ela. 

Por alguns momentos não encontraram nada para dizer e ela resolveu despedir-se dele.

- Cheguei tarde para sair a campo, vou ficar no quarto preparando minha monografia.

- Fique à vontade.  Estou de saída para acertar alguns detalhes para amanhã.

Hoje à noite a equipe vai se reunir e nos veremos novamente.

 

Ele arrematou esta fala com um sorriso amigável em nada lembrando o mau humor dele quando se conheceram pela primeira vez. Seria uma experiência interessante trabalhar com ele durante os próximos dias.