Imprimir

O Fruto da Honestidade - Capítulo 15

Ligado . Publicado em O Fruto da Honestidade

Ele não suportava mais ficar ali. Fazia vinte minutos que tentava se desvencilhar da incessante e insuportável conversa de Caroline Bingley, mas ela sempre encontrava um modo de fazê-lo ficar.
 
Enquanto Caroline quase monologava, Darcy tentava parar de olhar para Lizzie. Desde que a vira pela primeira vez não conseguia parar de pensar nela. Era impressionante como ela conseguia invadir seus pensamentos durante o dia inteiro e ainda os seus sonhos!
 
Foi interrompido por uma voz irritantemente aguda que lhe chamava.
 
- Darcy, você ouviu o que eu falei?
 
- Eu? Claro. – na verdade ele não prestara atenção em nada, mas, para não correr o risco de que ela lhe falasse tudo de novo, preferiu mentir.
 
- E o que você acha?
 
- Acho... ótimo.
 
- Perfeito! Então vamos!
 
Pegou-lhe pela mão e arrastou-o até a pista de dança. Uma música agitada ecoava pelo local.
 
Caroline começou a dançar. Ela remexia os braços e quadris de modo frenético e lançava para Darcy olhares enigmáticos, tentando seduzi-lo.
 
O máximo que conseguiu foi assustá-lo.
 
Como era muito magra, com aparência quase anoréxica, ela mais parecia uma daquelas aranhas com as patas finas tentando espantar um predador.
 
*****************************************
 
- Lizzie, onde está o Darcy? Eu ouvi falar que ele viria também. – falou Charlotte, enquanto procurava-o com os olhos.
 
- Ele está ali, na pista de dança. – apontando com a cabeça a direção onde ele estava.
 
- Ai... que homem! Hoje ele está mais lindo do que nunca! Oh... mas quem é aquela que está dançando com ele?
 
- Aquela é Caroline Bingley. Irmã de Charles Bingley e nova namorada de Darcy.
 
- Eu não sabia que ele tinha uma namorada.
 
- É que eles não “divulgaram”.
 
- Nossa! Sempre achei que um homem lindo como ele tivesse bom-gosto para escolher mulheres... Bom, ele tinha que ter um defeito... – riu.
 
- Ele tem vários.
 
- Aposto que a maioria foi criada por essa sua cabeça, que cria barreiras cada vez que um homem possa fazê-la se apaixonar.
 
- Eu apenas não me iludo. Todos os homens têm defeitos. Então, para que eu não seja desiludida, prefiro não idealizar alguém.
 
- Ai, Lizzie... isso é tão... racional! Aja mais com o coração!
 
 
Após essas últimas palavras de Charlotte, as duas amigas se dirigiram até um espaço ao ar livre que ficava nos fundos do salão onde estavam.
 
O lugar era um amplo jardim, decorado com os mais diversos tipos de flores. Rosas, margaridas, violetas, lírios, gérberas..., todas compunham o harmonioso ambiente.
 
Jogos de luzes se combinavam com as flores e davam um ar mais elegante ao jardim.
 
O jardim fora reservado para a cerimônia de lançamento dos perfumes, que aconteceria dali a quinze minutos.
 
Todos os convidados foram instalados em mesas, que ficavam diante de um pequeno palco, devidamente posicionado no jardim e que seria utilizado para a apresentação de cada fragrância.
 
Conforme as pessoas iam adentrando o local, ocupavam uma mesa à sua escolha.
 
Assim, Charlotte e Lizzie se acomodaram em uma mesa perto do pequeno palco para melhor observarem Jane, que iria apresentar a cerimônia.
 
As duas conversavam, quando:
 
- Oh, Lizzie! Você está aí! Procurei-te por todos os lugares! Será que eu e o William poderíamos sentar com vocês?
 
- Claro. Claro que sim! – Lizzie atendeu de imediato ao pedido de Georgiana, que já havia se tornado uma amiga.
 
As três logo começaram um interessante diálogo. Darcy também participava da conversa às vezes, mas apenas quando era pedida a sua opinião.
 
A hora passou rápido e a cerimônia começou. Jane apresentou tudo. Ela estava belíssima, apesar de nervosa. Sabia falar muito bem em público.
 
Do outro extremo do jardim estava Charles, observando todo o desenrolar da festa e organizando tudo. Enquanto Jane falava, ele a olhava. Ela parecia ainda mais bonita dali.
 
Então ele percebeu que a beleza dela não era apenas exterior e que ela não era apenas um “rostinho bonito”. Ela era muito mais do que isso e ele nunca tinha gostado tanto de alguém.
 
*****************************************
 
Apenas eles estavam ali. Alguns carros passavam às vezes, mas, na maioria do tempo, eles estavam a sós. Aquela ponte não era muito movimentada.
 
Há tempos que iam ali, desde os tempos de namoro.
 
- É engraçado como são raros os nossos momentos juntos e sós...
 
- É. Achávamos que quando nossas filhas crescessem, teríamos mais tempo juntos. Mas a idade chega e o ânimo se esvai...
 
- Mas o amor nunca acaba, sr. Bennet.
 
- Claro, minha flor. Ele nunca acaba... – falou ele, beijando sua mulher delicadamente nos lábios, já desgastados com o tempo.
 
- O senhor lembra a primeira vez que nos vimos?
 
- Lógico que sim... você estava linda com aquele vestido floral e com os seus cabelos loiros e lisos soltos.
 
- Você também estava muito bonito naquele dia de sol, naquele parque... ainda lembro de suas palavras: “Sabia que há uma lenda que diz que uma fada alimentava um príncipe com comidas preparadas com esta flor para que ele nunca crescesse e nem perdesse a inocência infantil.” Eu estava num banco, sozinha, e brincava com uma margarida. Nós conversamos pelo resto da tarde... eu, encantada pela sua inteligência...
 
- E eu, pela sua alegria e simplicidade.
 
Trocaram um beijo cheio de amor. Estavam casados há trinta anos e ainda se amavam como antes.
 
- Nós nem imaginávamos que nos casaríamos e teríamos filhas lindas...
 
- É verdade... – assentiu, e eles continuaram seu passeio.
 
*****************************************
 
A cerimônia de apresentação dos perfumes não durou muito. Logo, todos os convidados, satisfeitos e encantados com o novo produto, permaneceram em suas devidas mesas para o jantar que estava sendo servido.
 
Terminado o jantar, uma parte dos convidados voltou à pista de dança, e outra parte ficou no jardim mesmo, conversando.
 
Charlotte, Lizzie e Georgiana continuavam conversando. Darcy, por sua vez, já havia dado sua opinião algumas vezes na conversa das garotas e não conseguia, vez por outra, parar de olhar para Elizabeth.
 
Num impulso - coisa que geralmente não acontecia muito com ele –, chamou Lizzie para dançar.
 
Ela iria recusar, mas, quando olhou para Charlotte, esta balbuciava: “Vai, vai dançar com ele! Por mim...”
 
Lizzie então aceitou e os dois foram até a pista de dança. Assim como já havia acontecido na festa de Georgiana, todos os olharam quando eles passaram, de braços dados.
 
Elizabeth estava nervosa. Ela não sabia o que ele queria ao chamá-la para dançar novamente.
 
Uma música lenta começava a tomar conta do local.
 
Save Me
Hanson
 
Loving you
Amo você
Like I never have before
Como eu nunca amei ninguém antes,
And needing you
Preciso de você
Just to open up the door
Para abrir a porta.
 
If begging you
Se implorar a você
Might somehow turn the tides
Pudesse, de algum modo, mudar a maré,
Then tell me to
Então me diga,
I´ve got to get this off my mind
Eu tenho de tirar isto da minha cabeça...
 
I never thought I´d be speaking these words
Eu nunca pensei que estaria pronunciando estas palavras,
I never thought I´d need to say
Eu nunca pensei que precisaria dizer
Another day alone is more than I can take
Outro dia solitário é mais do que posso suportar....
 
[chorus]
Refrão
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
Cause saving is what I need
Pois a salvação é o que eu preciso
I just want to be
Eu apenas quero
By your side
Estar ao seu lado....
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
I don´t want to be
Eu não quero ficar
Just drifting through the sea
Apenas vagando através desse mar
 
Of life
Da vida...
 
Won't you?
Você não vai...
 
Listen please
Escute, por favor,
Baby, don´t walk out that door
Baby, não abandone a porta
 
I´m on my knees
Estou de joelhos,
You´re all I´m living for
Você é tudo que eu estou vivendo...
 
I never thought I´d be speaking these words
Eu nunca pensei que estaria pronunciando essas palavras,
Haven't thought I'd find a way
Eu nunca pensei que precisaria dizer
Another day alone is more than I can take
Outro dia solitário é mais do que posso suportar...
 
[chorus]
Refrão
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
Cause saving is what I need
Pois a salvação é o que eu preciso
I just want to be
Eu apenas quero
By your side
Estar ao seu lado....
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
I don´t want to be
Eu não quero ficar
Just drifting through the sea
Apenas vagando através desse mar
 
Suddenly the sky is falling
De repente o céu está desabando,
Could it be it's too late for me?
Poderia ser tarde demais para mim?
But if I never said I´m sorry
Se eu nunca disse "desculpa",
Then i´m wrong, yes I´m wrong
Então eu estou errado, sim eu estou errado
Then I hear my spirit calling
Então eu escuto meu espírito chamando,
Wondering if she´s longing for me?
Imaginando se ela está ansiando por mim
And then I know
Então eu sei
That I can´t live without her
Que não posso viver sem ela...
 
[chorus]
Refrão
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
Cause saving is what I need
Pois a salvação é o que eu preciso
I just want to be
Eu apenas quero
By your side
Estar ao seu lado....
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
I don´t want to be
Eu não quero ficar
Just drifting through the sea
Apenas vagando através desse mar
 
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
Won´t you save me?
Você não vai me salvar?
 
 
Mergulhado na melodia da música, ele começou a analisar o que realmente sentia por ela.
 
Ela estava ali, tão perto dele, com o rosto levemente recostado em seu ombro e com os braços envoltos em seu pescoço.
 
Há semanas não parava de pensar nela. Será que estava apaixonado? Lembrou-se da manchete de TV sobre amor à primeira vista e a música ajudou-o a confirmar o que sentia.
 
Enfim ele se deu conta que estava mesmo apaixonado.
 
Sorriu.
 
Nunca havia se sentido daquele jeito. E, agora que estava sentindo, ficou feliz por ser por alguém como ela.
 
Será que ela sentia o mesmo por ele? Será que apenas um única vez havia olhado-o com desejo? Ou pelo menos com um pouco de interesse?
 
Continuou dançando. Com ela assim, tão próxima, ele podia sentir seu perfume e imaginar como seria beijar aqueles lábios, que pareciam tão doces e delicados.
 
Por seu lado, ela estava tensa e podia sentir que ele também estava.
 
Não entendia o porquê de estar assim.
 
Desencostou a cabeça do ombro dele e olhou-o nos olhos. Inconscientemente com os lábios entreabertos.
 
Ele retribuiu intensamente o seu olhar e, num impulso de puro desejo, moveu sua cabeça em direção à dela com a intenção de beijá-la.
 
Ela, que não percebeu nada, apenas moveu a cabeça para o lado contrário do que a dele se movia.
 
Após isso, a música acabou, eles se olharam por um instante e se separaram.
 
*********************************************
 
Já eram quase três da manhã e os últimos convidados começavam a ir embora.
 
Georgiana e Darcy foram uns deles. Eles preferiram sair mais tarde da festa para que assim pudessem cumprimentar Charles e Jane.
 
Darcy se despediu de Lizzie apenas com um olhar e um aceno de cabeça. Ainda estava um pouco desapontado por ela ter rejeitado seu beijo.
 
Após a saída dos irmãos Darcy, foram embora também Charlotte e Lizzie. Esta combinara com a amiga de ir dormir na casa dela àquela noite e “relembrar os velhos tempos”.
 
Como Lizzie saíra com Charlotte e levara o carro de Jane, Charles ofereceu à última uma carona para casa.
 
Chegando em frente ao apartamento:
 
- Meu amor, muito obrigada pela carona.
 
- Foi um prazer.- disse ele sorrindo para ela.
 
Ele, então, pegou o rosto dela com as duas mãos e beijou-a.
 
O beijo começou leve e doce. Depois, com intensas adições de desejo, foi esquentando.
 
- Vamos subir ao seu apartamento... deixe-me subir. – disse ele, sem fôlego.
 
Ela pensou um pouco e respondeu, num impulso:
 
- Vamos.
 
Eles voltaram a se beijar e saíram do carro.
 
Entraram no elevador e recomeçaram as carícias. A lascívia tomava conta deles e eles não podiam mais se controlar.
 
Adentraram o apartamento rapidamente e logo estavam no quarto de Jane. Ela sentou-se na cama, ficando de frente à ele, que estava de pé.
 
Ele soltou o cabelo dela e sussurrou no seu ouvido:
 
- Jane, eu quero fazer o amor com você. Pra sempre.
 
Àquela noite, naquele quarto, foi feito o amor. O mais puro e belo amor que um casal pode fazer.